quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

FORMAÇÃO DO DOGMA DA TRINDADE

A posição de Jesus Cristo em relação à divindade esteve em xeque desde os primórdios do cristianismo, como bem podem ser atestados pelas confissões antigas presentes no texto bíblico em que é declarada sua plena humanidade e também a sua plena divindade (doutrina da união hipostática). Já dentro do ambiente judaico, grupos como os ebionitas afirmavam que Jesus era apenas humano e que pela sua obediência completa à vontade do Pai, Ele o adotou como Filho (doutrina também conhecida como adocionismo). Mas sem dúvida alguma, foi dentro do ambiente filosófico grego que o cristianismo enfrentou às suas maiores dificuldades, em que o embate não era para defender a fé cristã dos ataques dos filósofos pagãos, mas sim dos filósofos cristãos que visavam explicar “racionalmente” dentro da filosofia grega os conceitos considerados balizares para o cristianismo. Sem dúvida alguma o monarquianismo modal, base da sustentação gnóstica, sustentava ser Jesus o spermatikóslogoi, ou seja, a primeira substância criada pelo Pai e a partir dela, o Pai criou todas as coisas, essa doutrina era também conhecida como docetismo, que afirmava que Jesus parecia possuir um corpo humano, mas na realidade era um corpo espiritual. É observado nos primeiros séculos da história da teologia que os principais concílios foram reunidos para discutir vertentes deste tipo grego de cristologia.
                Em 325, no Concílio Ecumênico de Nicéia, igreja que já havia sido assolada pelo sabelianismo no século anterior, agora tem que enfrentar o conceito ariano de cristologia, que Cristo é visto como uma substância distinta do Pai, como afirma Justo Gonzáles: “A igreja até então não havia condenado o modalismo.”, agora se depara com um conceito que está abalando toda a igreja. Este concílio considerou o ensinamento de Ário herético e definiu o credo conhecido como Credo de Nicéia: “Cremos em um só Deus Pai onipotente, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis; em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, luz de luz, Deus verdadeiro do verdadeiro Deus, gerado, não feito, consubstancial (homoousius) com o Pai, por quem todas as coisas vieram a existir, tanto no céu como na terra, que por nós homens e pela nossa salvação desceu e encarnou, tornou-se humano, padeceu e ao terceiro dia ressuscitou e subiu ao céu e virá para julgar os vivos e os mortos; e no Espírito Santo.”  

14 comentários:

  1. Aluno Wanderson F. Couto.

    Sabemos que a divindade de Jesus desde a antiguidade tem sido questionada até em nossos dias. De uma coisa tenho certeza Ele é Deus, mesmo tendo uma breve passagem nesta terra como ser humano. Sua humanidade não invalida a sua divindade.
    Para os judeus ele era apenas um homem, pois para eles só existe um ser Supremo Deus. Com a junção do cristianismo com aspectos gnósticos, os assim denominados cristãos gnósticos, afirmavam que Jesus era divino. O apóstolo Paulo foi categórico ao afirmar que Jesus era homem e Deus ao mesmo tempo. Com o Concílio Ecumênico de Nicéia, houve a ratificação das palavras do apóstolo com a seguinte declaração: “Cremos em um só Deus Pai onipotente, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis; em um só Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, luz de luz, Deus verdadeiro do verdadeiro Deus, gerado, não feito, consubstancial (homoousius) com o Pai, por quem todas as coisas vieram a existir, tanto no céu como na terra, que por nós homens e pela nossa salvação desceu e encarnou, tornou-se humano, padeceu e ao terceiro dia ressuscitou e subiu ao céu e virá para julgar os vivos e os mortos; e no Espírito Santo.”

    ResponderExcluir
  2. A figura de Jesus, sempre foi contestada e rebatida, não só pelas religiões que não aceitam sua Divindade, como o próprio monarquialismo Dinâmico ou Ebionismo, como também sua humanidade na perspectiva do Monarquialismo Modal ou Docetismo. Sendo assim a figura da trindade perpassa a lógica, a metafísica, e até a própria ciência, pois somente através da Fé podemos compreender que Deus esvaziou-se de sua Glória e Majestade, se fez homem, para levar sobre si todas as nossas transgressões, dívidas, e nos mostrar o exemplo humanístico do coração de Deus, para através do seu Espírito e consolador, colocarmos em prática os Ensinamentos dados por Jesus, que Ele o Pai e o Consolador são únicos.

    ResponderExcluir
  3. Sempre tentaram imputar que Jesus Cristo não é homem e divino ao mesmo tempo, tentam colocá-lo como um semi-deus, muito por culpa da cultura grega que foi disseminada. O fato importante é de que até os dias de hoje, vemos através dos acontecimentos de Jesus Cristo é o Messias, o escolhido de Deus Pai, e que Jesus é um em Deus e vice-versa, e que ninguém vê ao Pai se não for por Ele. O que nós devemos disseminar neste mundo é a trindade só se entende e se é explicada mediante a fé em Cristo Jesus, e é nisso que devemos nos basear para que possamos apresentar o correto Plano da Salvação elaborado pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo.

    ResponderExcluir
  4. Fica claro o combate contra a teologia gnóstica fonte do pensamento grego dos filósofos. Podemos ver isso no Evangelho de Joao, que inicia combatendo radicalmente esse pensamento com o intuito de manter viva a fé na sã doutrina dos outros evangelhos onde deixando de lado todo um contexto de genealogias ,João visa refutar de forma veemente tal pensamento que existia na sua época pois era notório que muita influencia do pensamento Gnosticismo e um conjunto de correntes filosófico-religiosas sincréticas ou seja (uma fusão de doutrinas de diversas origens na esfera de crenças religiosas ou filosóficas) chegaram a mimetizar-se (copiar formas ,costumes) com o cristianismo nos primeiros séculos de nossa era, que estavam presente, dentro da comunidade Cristã com isso ,vindo a ser declarado como um pensamento herético após uma etapa em que conheceu prestígio entre os intelectuais cristãos.
    De fato, pode falar-se em um gnosticismo pagão e em um gnosticismo cristão, ainda que o pensamento gnóstico mais significativo tenha sido alcançado como uma vertente de opinião diferente do cristianismo primitivo. Nos dia atuais sentimos isso presente nas seitas conhecidas e em novas vertentes judaizantes que diz crer no “Machia” Yeshua (Jesus o Messias) ,mas aplicando esse mesmos pensamentos com Jesus sendo o primeiro a ser criado ou o unigênito como único criado do gênero ou comparando Deus a um oceano e Jesus como um copo cheio dessa agua. Bom ,deixo para reflexão o texto citado como exemplo para o combate a esse pensamento também tão presente nos dias atuais “ NO princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus Ele estava no princípio com Deus Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez.(Joao 1:1-3).

    ResponderExcluir
  5. É interessante observar que desde o princípio do Cristianismo a humanidade tentou provar que Jesus não era Homem e Deus ao mesmo tempo, Pois surgiram movimentos na igreja primitiva que tentaram provar que Jesus era 100% homem (Ebionitas), ou o inverso, que Jesus era 100% Deus (Gnósticos), apesar de encontrarmos claramente na bíblia textos como: João 1.1 que diz: "No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. E no Verso 14 que diz: E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade." Oque posso afirmar é que somente mediante a fé em Cristo é que podemos crer no que está escrito e entender as verdades de Deus, pois como diz a palavra de Deus: " Nós pregamos a Cruz de Cristo que é loucura para os Gregos e escândalo para os judeus."

    ResponderExcluir
  6. Ainda hoje é difícil compreender o conceito da trindade.
    No racional concluímos que é mentira, pois não tem lógica, já no ramo da fé aceitamos sem questionar, porém em ambos pontos de vista, constatamos que é difícil compreender as três pessoas formando uma única. Neste ponto concordo com Agostinho quando diz: "a compreensão plena e definitiva deste grande enigma só é possível quando, na vida eterna".
    Entendo a Trindade como uma união perfeita, formando um só Deus, como três peças que formam um quebra-cabeça

    ResponderExcluir
  7. O conceito trindade vem sendo difundido pelos grupos religiosos com a intenção de negar a divindade de Jesus, sendo um dos dogmas centrais da fé cristã não encontramos nas escrituras a palavra trindade mas vemos claramente em textos bíblicos Deus sendo revelado em três pessoas distintas, um exemplo é o batismo de Jesus em que se fazem presentes as três pessoas da trindade. O concílio de nicéia de alguma forma ajudou a combater algumas questões levantadas por Ario que negava a divindade plena de Jesus. Apoiando o argumento de Agostinho postado pelo colega Pablo algumas questões não serão respondidas, a graça de Deus nos basta.

    ResponderExcluir
  8. Carlos Henrique Silva Barbosa - Aluno 1° ano Ceforte

    A pessoa de jesus foi e será sempre questionado como o conceito de trindade negado por muitos conceitos, porém a trindade está compenetrada nas escrituras de uma forma atuante, na escrita não é mencionado a palavra "trindade", mas sua percepção é notável, que são três pessoas distintas em um único Deus, negar isto seria como não crer na bíblia como um todo. Encontramos no concílio de Nicéia um grande avanço para esclarecer e refutar pensamentos errôneos, e vemos que sim existem mistérios na bíblia que só é possível entender no campo da fé.

    ResponderExcluir
  9. Leonardo Carlos - Aluno 1º Ano - CEFORTE 2013

    É como diz Millard J.Erickson, "Não defendemos a doutrina da Trindade porque é evidente por si ou logicamente convincente. Nós a defendemos porque Deus revelou que ele é assim. Como alguém disse acerca dessa doutrina: "Tente explicá-la, e perderá a cabeça; Mas tente negá-la, e perderá a alma."
    139

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aluno: Alcinei Jardim de Souza
      CEFORTE. 2º Período


      Entendo que o ministério de Jesus enfrentou e enfrenta resistência no que diz respeito à sua natureza divina no meio da sociedade judaica e também por estrangeiros.
      Conceitos como sendo Jesus como substância ou até mesmo adotado pelo Pai. Interessante que no Credo de Nicéia em 325 ratificam as palavras do Ap. Paulo no que diz respeito à existência de um só Deus sendo um com o filho e sua capacidade de Salvação, porém sobre a pessoa do Espírito Santo e sua obra nada é mencionado aparentemente foi esquecido

      Excluir
  10. Creio que a principal termo utilizado para isso é, "A PALAVRA CONVENCE MAS O EXEMPLO ARRASTA", a divindade de Jesus foi contestada desde seu nascimento e será contestada ate a sua volta, isso é inevitável, os ser humano por natureza tende a creditar naquilo que é racional, e a divindade de Jesus é uma questão de fé, pois como um homem pode vim de um nascimento virginal, como uma homem pode depois de morto ressuscitar e aparecer para os seu, isso é questão de fé, é uma questão de se dar a oportunidade de abrir a mente e o coração para ter uma experiencia humana irracional com Deus, por exemplo Ml 3:10, primeiro devemos acreditar, ter fé ai sim faremos prova do Senhor e Ele nos mostrar quem ele é, mas também biblicamente falando Jesus e é apresentado a todo momento como Deus(Mateus 1:23 "A virgem ficará grávida e dará à luz um filho, e o chamarão Emanuel", que significa "Deus conosco".
    João 1:1-3 "No princípio era aquele que é a Palavra. Ele estava com Deus e era Deus. Ele estava com Deus no princípio. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele; sem ele, nada do que existe teria sido feito." ), ai homem tendencioso pega trechos bíblicos ao qual Jesus se refere como "filho do homem", ou não responde indagações maliciosas e tenta provar que Jesus não é Deus, mas só que esquece que o proposito Dele não era ser Deus na terra, mas como foi dito em aula no CEFORTE, "Deus ama tanto a gente, que se fez gente, para mostrar para gente, que se esqueceu do que é ser gente, como ser gente", o proposito de Jesus na terra era de ser o Cordeiro imaculado que deu sua propiá vida para que através do sangue derramado tivéssemos a direito a salvação e com seu exemplo de homem lembrar-nos do proposito de nossa criação. "NO PRINCÍPIO ERA O VERBO E O VERBO ERA DEUS E O VERBO ESTAVA COM DEUS ( JO 1:1) E O VERBO SE FEZ CARNE E HABITOU ENTRE NÓS.(JO 1:14)"

    ResponderExcluir
  11. Segundo Louis Berkhof, a doutrina da trindade sempre enfrentou dificuldades, e portanto, não é de admirar que a igreja em seus esforços para formulá-la, tenha sido repetidamente tentada a racionalizá-la e a dar-lhe uma construção que deixava de fazer justiça aos dados da Escrituras. Nos dias de hoje, cabe a igreja colocar o entendimento de tal doutrina como secundário, e dessa maneira, honrar, servir, adorar e anunciar a graça de Deus, revelada por Cristo, debaixo do poder do Espírito Santo.

    ResponderExcluir
  12. É sabido que o povo judeu esperava um libertador que os libertassem do jugo de Roma, mas por sua vez não esperavam um homem como Jesus foi, eles esperavam um rei terreno. Por conta de Jesus ser diferente de todos como homem e tudo que fora dito por Ele se cumpriu (principalmente a sua morte e ressurreição). Por conta do povo judeu não aceitar o conceito de trindade esse é um dos motivos para que eles não vejam o Pai e o Filho como um único Deus, fato é que nos dias de hoje temos que fazer valer as palavras de Jesus em Mateus 28:19 (fazer discípulos de todas as nações). A verdade que a deidade de Jesus é questionada até nos dias de hoje, mas o evangelho de Jesus Cristo por sua vez tem crescido de forma avassaladora desde sua morte.

    ResponderExcluir
  13. É sabido que o povo judeu esperava um libertador que os libertassem do jugo de Roma, mas por sua vez não esperavam um homem como Jesus foi, eles esperavam um rei terreno. Por conta de Jesus ser diferente de todos como homem e tudo que fora dito por Ele se cumpriu (principalmente a sua morte e ressurreição). Por conta do povo judeu não aceitar o conceito de trindade esse é um dos motivos para que eles não vejam o Pai e o Filho como um único Deus, fato é que nos dias de hoje temos que fazer valer as palavras de Jesus em Mateus 28:19 (fazer discípulos de todas as nações). A verdade que a deidade de Jesus é questionada até nos dias de hoje, mas o evangelho de Jesus Cristo por sua vez tem crescido de forma avassaladora desde sua morte.

    ResponderExcluir